AcessibilidadeAcessibilidadeInternacional

Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional

O profissional egresso do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional está apto a:

a) diagnosticar potencialidades regionais visando a formulação de projetos que objetivem a promoção do desenvolvimento;
b) atuar em instituições públicas e privadas em atividades de assessoria e consultoria, avaliação e planejamento estratégico, e atividades de pesquisa e de docência;
c) produzir e difundir conhecimentos sobre e para o desenvolvimento regional.

Diante da importância e necessidade permanente de avaliarmos os resultados do processo de formação educacional e o atingimento dos objetivos do Programa, o acompanhamento dos alunos egressos da pós-graduação em Desenvolvimento Regional da UNISC assumem papel estratégico para compreensão acerca da efetividade social e profissional dos conhecimentos adquiridos no período da formação, bem como para avaliarmos o grau de atualização e  pertinência da formação realizada diante das novas demandas de profissionais qualificados pela sociedade, pela região e pelo País. 

Para o PPGDR-UNISC o processo de acompanhamento de egressos representa um importante instrumento para o aprimoramento e avaliação institucional, posto que o Programa necessita de informações atualizadas e pertinentes sobre o desempenho dos seus egressos, o que permite, se necessário, promover a introdução de modificações na estrutura curricular ou na dinâmica pedagógica, reorientando ações de formação acadëmica.

Para além de se buscar aliar com maior grau de coerência o ensino nas disciplinas regulares em relação às demandas do mercado de trabalho, o acompanhamento dos egressos traz também algumas possibilidades de obtermos informações importantes, como a atuação profissional,  situação socioeconômica, nível de inserção social, bem como verificarmos como está ocorrendo a participação dos ex-alunos nas atividades realizadas pelo Programa e pela UNISC. O contato permanente com os egressos do PPGDR tem permitido também, de um lado prospectar demandas de novos cursos de formação continuada, e de outro lado, convidá-los para participar de cursos, projetos de extensão e pesquisa que o PPGDR tem realizado, além de contar com sua ativa participação na divulgação dessas atividades. 

Dentre as ações de acompanhamento dos egressos, a coordenação do PPGDR-UNISC realizou em janeiro-fevereiro de 2020 uma  pesquisa on-line, utilizando o formulário Google Doc, com os egressos buscando saber entre outras questões, onde estão residindo, onde estão atuando profissionalmente, quais os vínculos de emprego, e qual tem sido a sua inserção social.

O formulário foi enviado, por e-mail, para 111 egressos que concluíram o mestrado ou doutorado no período entre 2009 e 2019. Deste total de egressos contatados, recebemos respostas de 47 ex-alunos, correspondendo a 42,34% dos egressos consultados.

Em relação ao município onde os ex-alunos estão trabalhando, encontramos percentuais que indicam a conjuntura territorial do público de pessoas atendidas pelo PPGDR/UNISC, composto por ex-alunos de diversos municípios do Rio Grande do Sul e até de outras Estados do País. Os dados demonstram que 32% dos egressos residem em Santa Cruz do Sul,  10,6% em Porto Alegre, 6,3% em Santa Maria e 6,4% em Ijuí. Outros municípios citados no questionário incluem Rio Pardo-RS, Nova Prata-RS, Rio Grande-RS, Lajeado-RS, Chapecó-SC, Campo Mourão-PR Campo Grande-MS e Imperatriz-MA. 

Dos egressos entrevistados, 44,7% cursaram o Mestrado, e 36,2% cursaram o Doutorado, e 19,1% cursaram ambos os cursos no PPGDR-UNISC. Dentre os egressos respondentes 59,6% trabalham em sua área de formação, ; 36,2% trabalham em outra área de formação e 4,3% não trabalham atualmente. Dos entrevistados, 50% trabalham no setor privado, 38,1% trabalham no setor público e os demais trabalham no terceiro setor ou como autônomos. 

A grande maioria dos egressos, 66% deles, atuam como docentes e pesquisadores em instituições do ensino superior. Destes, 10% atuam também no ensino de pós-graduação stricto sensu. A atuação dos egressos no ensino superior ocorre em diferentes instituições universitárias no estado do Rio Grande do Sul e no País, tais como: UFSM, URI, Uergs, UFFronteiraSul, UNISC, UNIJUÍ, FACCAT, Univates, UFPel, UNISINOS, Unipampa, UPF, Urcamp, IFRS, UFMS, Unespar, IFC, UNOESC, UNEMAT, UNIR, Universidade do Contestado, UFM, FADIR, UNOESTE e UNOCHAPECÓ. Os demais  atuam como consultores em gestão de saúde, coordenadores de curso de graduação no ensino superior, atuam como docentes em escolas, atuam em Conselhos Regionais de Desenvolvimento, como consultores organizacionais, entre outras atividades. Salienta-se que dentre esses, muitos egressos se encontram inseridos na Escola da Família Agrícola de Santa Cruz do Sul, Secretaria de Orçamento e Finanças do RS, SESCOOP, Prefeituras Municipais, Secretaria de Saúde, Conselho Regional do Vale do Taquari-RS, Abrigo Municipal de Adolescentes, Parque Científico e Tecnológico do Vale do Taquari. Alguns prestam consultorias e assessorias. 

A remuneração mensal em seu trabalho é de mais de dez salários mínimos para 27,3% dos egressos; de 5 a 10 salários mínimos para 43,2% deles e de 1 até 5 salários mínimos, para 29,5%. Dos egressos que atuam no ensino superior, 69,4% coordenam ou participam de projetos de pesquisa e/ou extensão. 30,6% não participam atualmente porque são docentes horistas, sem carga horária para pesquisa.

Também foi perguntado aos egressos, no caso de sua atividade profissional envolver pesquisa ou intervenção social, se os conhecimentos obtidos no curso de Mestrado e/ou Doutorado em Desenvolvimento Regional são aplicados na sua prática profissional? 87,9% responderam que sim; 12,1%, responderam que isso ocorre parcialmente. Além disso, 85,1% dos egressos revelaram que o curso de mestrado e/ou doutorado em Desenvolvimento Regional contribuiu para melhorar sua posição profissional. 

Em relação ao acompanhamento pelos egressos das atividades do PPGDR, 95,7% dos entrevistados tem acompanhado notícias e atividades do PPGDR-UNISC, através do site do Programa, do Observa-DR, através de e-mail, da fanpage do PPGDR no Facebook, e através de participações presenciais em eventos promovidos pelo PPGDR.

 As principais atividades em que os egressos têm participado, promovidas pelo Programa, são as seguintes: Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional, cursos de extensão, revisores de artigos da REDES, Bancas de mestrado e doutorado, atividades alusivas aos 25 anos do PPGDR, Encontros Quinzenais, entre outras.

Em termos de produção acadêmica ressalta-se que os egressos, na sua maioria, concentram a produção acadêmica (artigos, anais e livros) no período de realização do mestrado ou do doutorado. De acordo com a consulta no Currículo Lattes dos egressos, a produção de artigos em periódicos é a produção que se destaca, com concentração no ano de 2019. Salienta-se que os egressos que atuam em instituições universitárias são aqueles que apresentam maior produção.

Por fim, destacam-se discentes que foram titulados mestres ou doutores no ano de 2019 e sua inserção social:

- Fernando Batista Bandeira da Fontoura: docente na Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC;

- Ezequiel Plínio Albarello: docente na Universidade Regional Integrada - URI/RS;

- Emerson Juliano Lucca: docente do Instituto Federal Farroupilha Santo Augusto, Rio Grande do Sul;

- Juscelino Gomes Lima: docente do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI;

- Elias Rodrigues de Oliveira Filho: docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - IFNMG;

- Luis Cláudio Villani Ortiz: docente na Instituto Federal Goiano;

- João Paulo Reis Costa: professor da Escola Família Agrícola de Santa Cruz - EFASC;

- Verenice Zanchi: Docente dos Curso de Administração e Ciências Contábeis no Centro Universitário Dinâmica das Cataratas - UDC;

- Elisabeth Cristina Drumm: Professora da Universidade da Região da Campanha - URCAMP;

- Vinicios Gonchoroski de Oliveira: Professor da Faculdade América Latina - FAL, Ijuí-RS;

- Cinara Neumann Alves: docente na Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo - ESCOOP e na Universidade Federal de Pelotas - UFPel;

- João Henrique Mendes Costa: docente na Universidade da Região da Campanha, Bagé-RS.

MENU PRINCIPAL