Mestrado e Doutorado em Letras

Projetos por Linhas de Pesquisa

Linha de Pesquisa: Processos Narrativos, comunicacionais e poéticos

Narrativas audiovisuais reconfiguradas

 

Este projeto de pesquisa propõe observar determinadas reconfigurações que se estabelecem nas narrativas de natureza comunicacional quando seus dispositivos, mais que vetores de midiatização, são afetados pela processualidade desta, midiatizando-se. A hipótese inicial que nos move é que a midiatização provoca reconfigurações tanto no âmbito dos dispositivos como no sistema em que eles se inserem, reconfigurando toda uma ecologia comunicacional e permitindo, nela, e emergência de novas vozes narrativas. Estamos falando de novas ofertas de sentido por meio das quais dispositivos como jornais, revistas, livros, sites, televisões, rádios etc., sejam jornalísticos ou não, buscam, a partir de seus relatos, fortalecer sua identidade por meio da geração de diferenças que produzam novas diferenças na relação com os demais dispositivos. Fortalecem, desta forma, suas identidades enquanto dispositivos, mas, também, o sistema em que se inserem.

 

Integrantes: Demétrio Soster (resp.), Fabiana Piccinin, Cristiane Lindemann, Diana de Azeredo, Frederico de Barros Silva, Jaqueline Frantz de Lara, Pamela Lauschner e Rodrigo Bartz.

 

Narrativas audiovisuais e autenticações do real

Este projeto propõe uma reflexão sobre as mudanças observadas de maneira geral, nos atuais programas jornalísticos da TV brasileira, no que diz respeito especialmente à formatação de suas narrativas. Estas marcadas por estratégias contínuas do que aqui vai se tratar de autenticação do real e que dizem respeito à construção de um tipo de discurso jornalístico que busca continuamente provar que oferece ao seu receptor o real sem mediações ou artifícios. Ou o real mais autêntico possível. Esse real verdadeiro emerge como valor contemporâneo num contexto em que as epistemologias, até então asseguradas pelas metanarrativas, agora passam a experimentar a relativização dos conceitos frente à superação da estética racionalista moderna, conforme aponta Lyotard (2004). Inaugura-se, neste sentido, um tempo de limites difusos e pouco claros com relação ao real que perpassa todas as manifestações artísticas e culturais. Entre elas e, sobretudo, as narrativas midiáticas, onde o estatuto da ficção e da não ficção passa a ser discutido e disputado mediante a melhor representação realista diante da ausência do próprio real (MARTINS: 2010). Para tanto, as mídias valem-se das potencialidades dos avanços tecnológicos para catalizar seus discursos, levando suas representações muitas vezes à espetacularização e a uma consequente contribuição para a erosão entre os limites do ficcional e do não ficcional, distanciando-se do real referenciado. Dentro do sistema midiático, cabe especialmente ao jornalismo o compromisso com o real, posto que é a instituição responsável pelos discursos que trafegam socialmente e por meio dos quais os indivíduos constroem as suas realidades. Assim, diante desta desreferencialização do real (Santos: 1986), o jornalismo passa a lançar mão de estratégias de sedução no sentido de oferecer a versão mais convincente e espontânea da realidade. Ou seja, uma vez distantes de suas realidades pela onipresente mediação midiática, os indivíduos se apresentam como nunca desejantes do real nu e cru, do real explícito e desvendável. E, diante da necessidade de real que a própria mídia ajuda a criar é, ao mesmo tempo, também o aparato midiático que pretende contemplar essa demanda em suas narrativas.Diante deste contexto, este projeto objetiva saber como se dá e que tipo de estratégias se utilizam os programas jornalísticos televisivos para construir essa impressão de real mais real que o real em suas narrativas, buscando entender como essa busca pela oferta do real acaba por incidir na narrativa jornalística. Por outras palavras, pretende-se compreender como essas operações de autenticação convocadas pela mídia intervém no discurso jornalístico da Tv e que tipo de evidências disso é possível observar nos programas e, sobretudo, na sua linguagem telejornalística. Que tipo de construção narrativa acaba sendo privilegiada na reportagem televisiva diante da necessidade de convencimento sobre a notícia que está sendo contada? Como os elementos narrativos são utilizados e conformados mediante a necessidade apresentar o real autêntico, sem mediações ou artifícios?

 

Integrante: Fabiana Piccinin (resp.), Ananda Etges, Ana Claudia Almeida, Andressa Bandeira, Cleidimar Fernandes Lima, Erion da Silva Lara, Gabriel Steindorf e José Arlei Cardoso.

Violência, cotidiano e história mínima: o sujeito escritor contemporâneo e a narrativa da "Geração Granta"

Esta proposta, no geral, busca criar um panorama do estado atual da narrativa hispânica e brasileira contemplado pela Revista Granta. Ainda que centrada em obras publicadas nos últimos anos, também abrange, necessariamente, o boom latino-americano? que, no caso hispano-americano, se poderia denominar novela pós-macondiana?, revisando-se produções de décadas anteriores, estabelecendo sinergias entre os narradores contemporâneos da chamada “Geração Granta” em plena produção com seus paralelos dos movimentos vigentes na América Latina, tais como o pós-boom e o “Crack”. Tendo bases na Literatura comparada e na Teoria crítica, a investigação se desenvolverá através de estudo bibliográfico de obras literárias e teóricas, voltando-se à narrativa contemporânea pertencente à chamada ?Geração Granta?. A pesquisa atende a seis tópicos de pesquisa, relativo aos seis pesquisadores/grupos de pesquisadores, brasileiros, peruanos e colombianos, de 4 universidades e de áreas afins, que buscam, através de suas perspectivas teóricas, estabelecer um estudo crítico sobre a literatura latino-americana contemporânea, com foco na “Geração Granta” hispânica e brasileira. A metodologia comparativa permitirá ultrapassar o estudo de caso exploratório a um nível de estruturas teóricas gerais, sem negligenciar as singularidades de cada contexto sócio-histórico nem as particularidades estéticas da obra de cada escritor.

 

Integrante: Rosane Cardoso (resp.), Fabiana Piccinin, Vera Lucia Travi, Ana Paula Teixeira Porto, Rafael Einsinger Guimarães, Enrique Rosas Paravicino, Carlos Bernal, Jorge Iván Parra, Ofelia Ros e Julia Tomazi.

Os estudos acadêmicos de Literatura: pressupostos teóricos e aplicabilidades

 

O projeto busca realizar pesquisas no âmbito da prática docente em relação à área da Literatura. Pretende, por um lado refletir sobre aspectos teóricos que poderiam balizar os estudos de literatura na academia, seja no que se refere a um escopo epistemológico, que discute o lugar e a importância dos estudos literários, seja no que se refere a um aprofundamento em torno de temas e autores específicos. Tanto para um como para outro desses aspectos, são considerados essenciais os seguintes pressupostos teóricos: a literatura é portadora de uma espécie de conhecimento, a atitude hermenêutica é parte indispensável para a compreensão da Literatura e, a perspectiva histórica, seja em relação à literatura, seja em relação ao contexto, constitui um campo significativo para a interpretação e atribuição de sentido, bem como de conhecimento, veiculados pelos textos literários. Por outro lado, o projeto deve voltar-se para a pesquisa e análise das práticas acadêmicas em torno da Literatura nos cursos de graduação em Letras de algumas Universidades gaúchas. Para tanto, será feito um levantamento de dados a respeito da configuração dos cursos de Letras em termos de disciplinas, carga horária e bibliografia principal. A questão metodológica, de sentido e de relevância pessoal em relação a essa área será avaliada a partir de um questionário proposto aos alunos formandos dos cursos de graduação em Letras das Universidades selecionadas. Pretende-se, com isso, avaliar os seguintes aspectos: se os estudos de Literatura nos cursos de Letras contribuem para a formação de professores leitores e para o aprimoramento da escrita (e de que forma isso ocorre ou não); se a Literatura apresenta algum sentido em termos existenciais e sociais que justifique o estudo da mesma por parte dos estudantes e com isso ela passe a constituir um objetivo de vida e de carreira; se as leituras realizadas durante o curso são significativas em termos qualitativos e quantitativos; se há alguma metodologia predominante utilizada nos cursos de Letras. A análise e interpretação dos dados coletados no âmbito da pesquisa aplicada se darão a partir dos pressupostos teóricos assinalados. Estes constituem também o campo de pesquisa da coordenadora do projeto e dos alunos orientandos de iniciação científica e de mestrado.

 

Integrante: Eunice Gai (resp.) e Vera Lúcia de Oliveira Maccherani (Univ. Perugia - Itália).

 

Vozes da cultura contemporânea: a ficção em primeira pessoa

 

A partir da seleção de um conjunto de textos que seja capaz de representar a produção literária contemporânea em língua portuguesa, este trabalho tem por objetivo geral avaliar a tendência da escrita em primeira pessoa na produção de textos culturais em língua portuguesa na contemporaneidade, centralizando sua atenção no narrador de ficção. Para tanto, o estudo faz convergir teorias advindas de três campos: a sociologia, ao estudar as mentalidades contemporâneas, incluindo aí a cultura; a comunicação, quando pensa os processos midiáticos que envolvem a produção cultural e a escrita de ficção; e a teoria da literatura, quando analisa elementos da produção literária, sobretudo na área da narratologia, ao observar o narrador de ficção, eixo este em que propriamente aplicam-se as teorias.

 

Integrante: Ana Cláudia Munari Domingos (resp.), Adria Graziele Pinto, Helena Jungblut e Taissi Alessandra Cardoso da Silva.

 

Figurações de gênero nas narrativas literárias e midiáticas da contemporaneidade

 

O presente projeto de pesquisa se propõe a discutir os principais tópicos postos em pauta pelos estudos de gênero na contemporaneidade, buscando, a partir dessa perspectiva, analisar objetos culturais, sejam eles literários ou audiovisuais, tendo, como interesse primordial, o processo de figurações do gênero feminino em tais narrativas. Mais do que um viés teórico a partir do qual se pode interpretar os textos literários, a crítica feminista e de gênero constitui um posicionamento que questiona os próprios pressupostos de valor tidos como universais, não apenas apontando para percepções distintas daquelas propostas pela cultura patriarcal, como também reivindicando o reconhecimento do papel da mulher na construção do patrimônio literário e cultural. Nessa ótica, tal matriz epistemológica assume como seu principal procedimento aquilo que Sandra Gilbert (1986) chamou de “revisionary imperative”. Para a autora, uma vez que o pensamento ocidental nitidamente se sustenta na dicotomia patriarcal que associa o masculino à cultura e o feminino à natureza, sendo, por extensão, os “tesouros da cultura” pretensamente patrimônio dos escritores masculinos, a crítica literária de viés feminista assume o papel de rever, reestruturar e reelaborar tais pressupostos. A despeito das críticas de que é alvo – direcionadas, especialmente, a um radicalismo e a uma postura panfletária atribuídos a ele de forma bastante questionável – o movimento feminista e de gênero consolidou seu espaço na esfera acadêmica, atravessando, de forma interdisciplinar, os mais distintos ramos das ciências humanas e biológicas. No que toca ao projeto de pesquisa aqui proposto, o aporte teórico e epistemológico em questão contribui sobremaneira para lançar luzes não apenas sobre o processo de elaboração e reprodução de figurações de gênero nas narrativas literárias e midiáticas contemporâneas, como também sobre os desdobramentos da circulação e introjeção desses elementos simbólicos no imaginário.

 

Integrante: Rafael Guimarães (resp.), Francisca Pereira da Silva, Jeferson Adriano Leopold, Mariane de Brum, Nicole Petry Rieger.

 

Narrativas e conhecimento: especificidades teóricas e constituição de sentido - Desdobramentos

 

Trata-se do desdobramento do Projeto Narrativas e conhecimento: especificidades teóricas e constituição de sentido. Além de continuar as pesquisas sobre as relações entre conhecimento e narrativa, nesta etapa, o projeto busca aprofundar os estudos sobre hermenêutica. As pesquisas sobre autonarrativas, da Professora Nize Campos Pellanda, e os estudos sobre literatura e psicanálise, do bolsista de pós-doutorado, Ernesto Söhnle inserem-se nos horizontes teóricos deste projeto.

 

Integrantes: Eunice Piazza Gai (resp.), Ernesto Söhnle Jr., Nize Maria Campos Pellanda, Vera Lucia de Oliveira Maccherani (Univ. Perugia - Itália).

 

Linha de Pesquisa: Processos cognitivos e textualização

Leitura e cognição: emergência e negociação de sentidos pela interpretação de metáforas e metonímias em diferentes gêneros textuais

 

O projeto apoiado pelo Edital FAPERGS 05/2014 - PROGRAMA PESQUISADOR VISITANTE SÊNIOR NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, tem como objetivo investigar como a linguagem figurada, especificamente a metafórica e a metonímia, presente em variados gêneros textuais tais com o literário, o jornalístico, o poético, o político, contribui para a emergência e negociação de sentidos em tais gêneros e viabiliza a compreensão leitora.

 

Integrantes: Rosângela Gabriel (resp.), Ana Cristina Pelosi, Onici Claro Flôres e Lilian Cristine Hübner (PUCRS).

 

A controvérsia sobre o valor da Tópica na Idade Moderna

 

Exame da crítica à Tópica feita na Lógica ou Arte de Pensar de Arnauld e Nicole e da defesa da mesma feita por Vico na sua obra O Método dos estudos de nosso tempo.

 

Integrante: Jorge Alberto Molina (resp.)

 

Leitura: o papel heurístico da paráfrase

 

Um dos testes mais utilizados para comprovar se houve ou não compreensão leitora é solicitar que o leitor repita com suas palavras o conteúdo do texto lido. Nesses termos é interessante enfatizar que a base para a construção de novos conhecimentos depende de repetir, ou seja, de apoiar-se no já sabido para avançar o conhecimento, pois do nada, nada se cria. Assim, esta comunicação destaca o papel heurístico da paráfrase, já que ela representa o ponto de articulação entre o novo e o velho, ponto a partir do qual o processo de afastamento do já sabido ocorre. A paráfrase de modo usual desencadeia alterações no que foi lido, afastando gradualmente a materialidade do texto de seu significado. Antes disso, o leitor não se propõe a interpretar ou refletir sobre o que leu. Basta-lhe repetir. Sua pretensão esgota-se em manter-se fiel ao já conhecido. É, portanto, o processo de parafrasagem que propicia o estabelecimento de nuanças interpretativas e a própria evolução do conhecimento. Assim se justifica por que, para os estudos da leitura, a paráfrase pode se constituir na chave para a investigação sobre a construção intersubjetiva do conhecimento, sendo uma candidata potencial a explicar de modo congruente a intersecção entre linguagem, cognição e cultura, enquanto elementos solidários do modo de construção do entendimento da realidade e do discurso.

 

Integrante: Onici Claro Flôres (resp.), Rosângela Gabriel e Carlos Rene Ayres.

 

Na ponta dos dedos: o I PAD como instrumento complexo de cognição/subjetivação

 

Trata-se de um projeto inovador por dois motivos: usa um objeto técnico (iPad) para acoplamento de sujeitos autistas com a realidade usando os pressupostos da complexidade. Para isso, conta também com o sistema háptico (toque) apostando na plasticidade neuronal pois pesquisas recentes tem mostrado que o toque na ponta dos dedos pode fazer disparar mecanismos neurofisiológicos. O segundo aspecto inovador é romper com a abordagem tradicional do autismo que reforça as estereotipias típicas desta patologia investindo no princíipio da "complexificação pelo ruído" de Henri Atlan e no conceito de autopoiesis da Maturana/Varela. Outros pressupostos teóricos das neurociências atuais (Antonio Damásio e outros) também são utilizados. É importante destacar ainda um outro aspecto da abordagem complexa que é a questão da relação sujeito/objeto com a inclusão do observador no sistema observado. Para responder a esta demanda complexa usamos as autonarrativas dos pesquisadores. Por tudo isso, o grupo de pesquisa responsável pelo projeto criou uma processualidade nova que está sendo aplicada. Os sujeitos autistas do projeto começam a falar, a cantar e melhoram a comunicação com seus familiares e outros grupos.

 

Integrante: Nize Pellanda (resp.), Dulci Marlise Boettcher, Karla Rosane Amaral Demoly (UFERSA) e Maria Clara Faria da Costa Oliveira (UMinho).

 

A plasticidade cerebral e os efeitos da alfabetização nos sistemas de memórias

 

O presente projeto tem por objetivo investigar a plasticidade cerebral cognitiva e os efeitos da alfabetização no sistema cognitivo, com especial atenção para as questões de memória, em especial memória de trabalho, memória de curto e de longo prazo. Serão coletados dados com quatro grupos de participantes: adultos analfabetos, adultos ex-analfabetos (ou seja, alfabetizados tardiamente), crianças analfabetas (pré-escolares) e crianças recentemente alfabetizadas, a fim de investigar as seguintes questões de trabalho: a plasticidade cerebral, no que diz respeito aos substratos necessários à aprendizagem e ao processamento da leitura, está presente apenas na infância ou se mantém presente na idade adulta? Se a plasticidade cerebral se mantém presente, é possível identificar redução significativa em relação à infância? Em que aspectos? Para responder a essas questões serão utilizados testes desenvolvidos em colaboração com os pesquisadores da UNESCOG, Régine Kolinsky e José Morais, da Universidade Livre de Bruxelas, dentre eles: verbal STM &WM (digit span forward & backward), visual selective attention (NEPSY), inhibition, flexibility & distractibility (KITAP), reading abilities (BELEC), nonverbal QI (Raven s CPM), vocabulário (EVIP), ambiente de leitura familiar (HLE, questionário aos pais), e método usado para ensino da leitura (questionário com professores). Esses dados contribuirão na busca de maior compreensão sobre a relação da memória de trabalho com a leitura: A aprendizagem da leitura contribui para o desenvolvimento e expansão da capacidade da memória de trabalho? Ou a memória de trabalho possui uma capacidade fixa, que independe do processo de aprendizagem e de alfabetização? Dizendo de outra forma: a memória de trabalho é plástica e se expande em decorrência do processo de alfabetização? A comparação dos resultados de crianças pré e pós-alfabetização vs. adultos (analfabetos e alfabetizados na idade adulta) constitui uma estratégia na investigação mais ampla das funções cognitivas afetadas pela alfabetização. A contribuição científica decorrente dos estudos sobre os mecanismos subjacentes à cognição humana, em especial em seus aspectos linguísticos tem potencial de gerar aplicações na esfera educacional, terapêutica e comunicacional.

 

Integrante: Rosângela Gabriel (resp.), Onici Claro Flôres; José Morais e Régine Kolinsky (ULB).

 

A escrita, a reescrita e a construção do sentido no discurso

 

O desenvolvimento da escrita nos indivíduos é um processo que tem seu marco na alfabetização, quando estes iniciam o contato com o sistema alfabético, e se desenvolve ao longo da vida, pelo domínio de diferentes habilidades que são inerentes a esse processo. Contrariamente à aquisição da modalidade oral da língua, que requer unicamente o contato com falantes de determinada língua para que haja a internalização de seu sistema, a modalidade escrita necessita de intervenção escolar, através do ensino formal. Tal é a complexidade que envolve o domínio da escrita que em diferentes níveis da formação intelectual de um indivíduo encontramos disciplinas voltadas ao seu aperfeiçoamento: aulas de português e redação no ensino básico, disciplinas de Leitura e Produção Textual no ensino superior, assim como cursos voltados para a escrita acadêmica em cursos de pós-graduação lato e stricto sensu. Tendo em vista tal complexidade que a escrita apresenta, este projeto, de cunho qualitativo, tem como objetivo geral estudar, embasado na Teoria da Argumentação na Língua, os processos de escrita e, eventualmente, reescrita, em diferentes gêneros textuais, a fim de compreender o modo como neles se dá a construção do sentido. Para nós, a escrita, enquanto atividade discursiva de um locutor, contém duas faces importantes a serem consideradas na análise de sua totalidade: a materialidade linguística e a atitude do locutor enquanto ser produtor de discurso.

 

Integrante: Cristiane Dall Cortivo (resp.), Leci Barbisan (PUCRS), Bianca Stulp e Letícia da Rosa Fregapani.

 

Consciência linguística e dificuldades de leitura

 

O projeto propõe-se a abordar as dificuldades de leitura apresentadas por estudantes universitários. Esse tipo de problema de aprendizagem prejudica não só a vida acadêmica de muitos alunos, mas interfere em toda a sua vida. Em outras palavras, não só o desempenho nos estudos traz a marca da mencionada dificuldade, mas também a vida social, afetiva e emocional. O objetivo deste estudo é, então, conhecer e analisar quais são essas dificuldades, em especial, entre os alunos do curso de Letras da UNISC. O estudo será exploratório e qualitativo. Nele, serão utilizados três instrumentos especialmente concebidos para a investigação, os quais buscam detectar quais sejam as dificuldades percebidas/apontadas pelos inquiridos e também aquelas não referidas, mas evidenciadas através dos instrumentos de coleta. Os instrumentos são: 1) um questionário sobre a vida escolar dos estudantes; 2) um teste sobre leitura e interpretação textual de uma crônica (gênero jornalístico) e 3) uma produção de texto, cujo título será Minha História da Leitura. Os dados obtidos serão pareados, comparando-se as respostas ao teste de leitura e interpretação de texto, às respostas ao questionário sobre a vida escolar, bem como à produção escrita da história de leitura. O ponto de partida do estudo será estabelecer um paralelo entre os respondentes que assumirem ter tido problemas com leitura e escrita durante sua vida de estudos anterior e/ou atual e os que se sentirem confortáveis, considerando-se leitores e redatores de razoáveis a bons. Relativamente, ao percurso escolar anterior, vai-se considerar, sobretudo, o número de reprovações dos sujeitos, ao longo da trajetória de estudos.

 

Integrantes: Onici Flôres (resp.), Francieli Wink, Juliana Canton Henriques, Marcia Regina Melchior e Rosângela Gabriel.

 

 

A aprendizagem da leitura e seus efeitos sobre a linguagem e a cognição

Os estudos a serem desenvolvidos durante o estágio sênior buscarão investigar como a aprendizagem da leitura influencia os sistemas de memória, em especial a memória de trabalho, e demais funções cognitivas, dentre elas a atenção, inibição, flexibilidade mental, processamento visual e auditivo. Os estudos sobre o processamento da leitura a partir de um viés cognitivo (DEHAENE; COHEN, 2007; DEHAENE et al., 2010; DEHAENE, 2012; KOLINSKY; PATTAMADILOK; MORAIS, 2012; MORAIS, 1996; MORAIS, 2012; MORAIS; LEITE; KOLINSKY, 2013) vem modificando profundamente a forma como concebemos o processamento da leitura, tanto no que tange ao leitor proficiente, quanto ao leitor aprendiz infantil e ao adulto alfabetizado tardiamente. Assim, dentre os temas a serem investigados durante o estágio sênior, merecem destaque os possíveis efeitos da alfabetização na expansão da memória de trabalho (WT, working memory span) e memória de curto prazo (STM, short term memory), a interação da memória de trabalho com a memória de longo prazo (LTM) durante a leitura, e ainda os efeitos mais abrangentes da alfabetização em aspectos cognitivos tais como atenção, tempo de resposta e acurácia. A realização do estágio sênior junto à Unidade de Pesquisa em Neurociências Cognitivas da Universidade Livre de Bruxelas, dirigida pela professora Doutora Régine Kolinsky, no período de fevereiro de 2015 a janeiro de 2016 visa ainda contribuir com os desafios priorizados pela CAPES no presente triênio: a interdisciplinaridade, ao buscar a interlocução entre neurociências, linguística, educação; a internacionalização, uma vez que se pretende que a cooperação entre os pesquisadores brasileiros e europeus se fortaleça e se consolide em uma cooperação de longo prazo; a educação básica, pois um dos horizontes de aplicação dos estudos desenvolvidos ao longo do estágio no exterior será contribuir para que o ensino da leitura no Brasil de fato possibilite o desenvolvimento de cidadãos mais autônomos e melhor preparados para a atuação em uma sociedade letrada e democrática (MORAIS, 2013 a; 2013b).


Integrantes: Rosângela Gabriel (resp.), José Morais (ULB), Régine Kolinsky (ULB).

Projeto interdisciplinar sobre representações sociocognitivas na conceptualização de violência em centros urbanos brasileiros - Etapa 3

 

A proposta desdobra-se em subprojetos desenvolvidos pelos membros do GELP-COLIN, grupo de pesquisa vinculado à Universidade Federal do Ceará (UFC). Tem como objetivo investigar o papel de representações sociocognitivas na emergência e modelagem de ideias, atitudes e crenças de indivíduos sobre conceitos vinculados à VIOLÊNCIA em áreas urbanas de cidades brasileiras (Fortaleza, Belo Horizonte, Caxias do Sul) regiões com diferentes formações étnicas e socioculturais. Especificamente, sob os aportes teóricos e aplicados da linguística cognitiva (GIBBS, 2006; LAKOFF, 1987, 1993; LAKOFF; JOHNSON, 1999), de teorias provenientes de outras áreas tais como a Neurociência Cognitiva (DAMÁSIO; GESCHWIND, 1984; GALLESE ET AL., 2004; HAUSER ET AL., 2002; LAKOFF; GALLESE, 2005) e a Análise do Discurso à Luz da Metáfora (CAMERON; LARSEN-FREEMAN, 2007; CAMERON, ET AL., 2009; CAMERON; MASLEN, 2010), buscamos entender como a linguagem figurada e outros construtos de natureza sociocognitiva estruturam conceitos relativos a sentimentos de insegurança decorrentes de experiências envolvendo atos de violência, conforme veiculados em discursos, narrativas e outras formas de expressão, de vítimas diretas ou indiretas de situações envolvendo atos de violência. Esperamos que conhecimentos advindos das pesquisas possam vir a contribuir para um melhor gerenciamento do problema da violência em centros urbanos brasileiros.

 

Integrante: Ana Cristina Pelosi (resp.) e Heloíza Feltes (UCS).

Linha de pesquisa: Texto, subjetividade e memória

Encontros com a Poesia: Poetas da Literatura Ocidental - 2 ª etapa

 

O presente projeto visa avançar na pesquisa que desenvolvemos há vários anos, centrada no estudo da fenomenologia bachelardiana acerca da imaginação poética. Ao estudarmos tal fenômeno, constatamos a necessidade de direcionarmos nossas investigações para um grupo mais amplo de poetas da literatura ocidental, alargando, assim, a pesquisa para outros sistemas literários além do brasileiro. Nesta segunda etapa, serão estudados poetas das literaturas de língua espanhola e da literatura alemã. Dentre esses poetas, destacamos os de língua espanhola Pablo Neruda, Jorge Luis Borges, Federico García Lorca, Octavio Paz e Gabriela Mistral e, entre os da literatura alemã, Goethe, Rilke, Hölderlin, Novalis e Brecht. Reiteramos que o principal teórico que embasou as investigações no que tange à poesia, empreendidas pelo Grupo de Pesquisa Estudos Poéticos nos últimos anos, o filósofo Gaston Bachelard, continuará sendo essencial no presente projeto, especialmente no que diz respeito ao método fenomenológico, com ênfase em seus conceitos de repercussão/ressonância e devaneio, base teórica dos Encontros com a Poesia, atividade desenvolvida pelo grupo há mais de quinze anos na universidade. Os Encontros com a Poesia têm por objetivo ser um espaço não somente de divulgação da pesquisa para a comunidade acadêmica e o público adulto em geral, mas também ser um evento que propicia a fruição prazerosa do poema, aspecto essencial na gênese de novos sujeitos leitores do texto poético.

 

Integrante: Norberto Perkoski (resp.), Angela Cogo Fronckowiak, Jessica Taiara Kottwitz, Kadine Saraiva de Carvalho, Micheli Fernanda Tavares Freire, Roseane Graziele da Silva, Samara Alves, Sandra Regina Simonis Richter.

 

As múltiplas faces da imaginação criadora

 

O presente projeto pretende avançar na pesquisa que desenvolvemos há vários anos, centrada no estudo do poético, em especial no que se refere ao método fenomenológico, empregado por Gaston Bachelard, principal teórico de nossas investigações, com ênfase em seus estudos acerca dos quatro elementos e nos seus conceitos de repercussão/ressonância e devaneio. Além da imaginação criadora, associada ao poema, à canção e às artes plásticas, já estudados em projetos anteriores e que pretendemos adensar, visamos ao seu estudo nas histórias em quadrinhos e em narrativas. Igualmente é nosso propósito dar continuidade à ação extensionista  Encontros com a Poesia, atividade que desenvolvemos junto ao público há dezessete anos.

 

Integrante: Norberto Perkoski (resp.), Viviane da Silva Dutra, Roseane Graziele da Silva, Jéssica Taiara Kottwitz, Kadine Saraiva de Carvalho e Micheli Fernanda Tavares Freire.

Processos criativos na forma estética literária

 

O presente projeto de pesquisa pretende analisar os processos criativos que podem ocorrer na forma estética literária quando a formalização é redirecionada para a diferença. Para isso, serão analisados textos de escritores brasileiros e de outras nacionalidades, de modo particular aqueles que desenvolveram formas estéticas voltadas para a diferença.

 

Integrante: Sergio Schaefer (resp.)

 

GAIA- Grupo de Ações e Investigações Autopoiéticas - desdobramentos 3

 

Apesar de todos os avanços científicos do último século que foram possíveis, em grande parte, graças à emergência de um novo paradigma complexo e do princípio da auto-organização, a educação escolar continua sendo não efetiva no sentido de transformar um mundo atormentado por uma perda significativa de sentido existencial e permeado por uma violência generalizada. Os desdobramentos aqui propostos na investigação do GAIA atingirão o aprofundamento do conceito de ontoepistemogênese, das narrativas, das linguagens e tecnologias, como ainda a questão da educação para a saúde, numa perspectiva complexa para não somente, juntar as dimensões da realidade que foram fragmentadas, como também ajudar os profissionais que lidam com a educação para a saúde refletir sobre os avanços da ciência, tais como as questões do paradigma da complexidade em geral e, mais especificamente, os problemas que emergem com pesquisas de ponta, ou seja, com as pesquisas recentes em neurociências.

 

Integrante: Nize Pellanda (resp.), Eunice Piazza Gai, Cesar Augusto Mueller, Cleci Maraschin (UFRGS), Daiane dos Santos Keller, Dulci Marlise Boettcher, Karla Rosane Amaral Demoly (UFERSA), Luis Fernando da Veiga, Maira Meira Pinto, Maria Clara Faria da Costa Oliveira (UMinho), Sandro Dilamar de Bittencout, Stela Piccin e Yanaê Maiara Meinhardt.

 

MENU PRINCIPAL