Apresentação

Recentemente, a ‘Estratégia global e metas para a prevenção, atenção e controle da tuberculose (TB) pós-2015’ foi aprovada em plenária da Organização Mundial da Saúde (OMS), o que significou um acordo global para acabar com a TB como uma pandemia até 2035, com metas estabelecidas de redução da incidência para menos de 10 casos por 100 mil habitantes e redução da mortalidade pela doença em 95%. A estratégia ‘Fim da TB’ da OMS amplia as ações de controle da doença, assentadas sobre três pilares: Integração dos cuidados e prevenção centrada no paciente, políticas ousadas e sistemas de informações integrados, incluindo ações de proteção social aos pacientes e recomendação de acesso universal à saúde e Intensificação das pesquisas e ações de inovação, e a incorporação de novas tecnologias.

A necessidade de redução na incidência de TB na população prisional, que é em média 28 vezes maior que na população geral, implica a proposição de novas estratégias de prevenção e controle da doença, tanto na população geral, quanto na população prisional. Nesse sentido, comunidade, pesquisadores, gestores e controle social estão somando esforços para construção e qualificação de saberes e práticas para o redimensionamento na organização, gestão, pesquisas e planejamento dos processos de trabalho na área. A TB e os direitos humanos, no sistema prisional e fora dele, são temas de pesquisa interinstitucional estadual, tendo sido aprovados, no ano de 2017, no Rio Grande do Sul, quatro projetos através do edital PPSUS-2017/RS, em temáticas relacionadas aquela proposta para o evento.

Contribuições para os participantes do Evento:  

- Discussão do estado da arte em tuberculose (TB) no âmbito regional, estadual, nacional e internacional;
- Interlocução entre pesquisadores do estado do Rio Grande do Sul e de outros estados brasileiros, experts na área de TB, para qualificação da pesquisa na área; oportunidade de divulgação de resultados de pesquisas e relatos de experiências exitosas de pesquisa e extensão; intercâmbio entre acadêmicos e profissionais da área da saúde e do sistema prisional;
- Diálogo e intercâmbio dos temas relacionados às linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação (PPG) Promoção da Saúde da UNISC, PPG Política Social e Serviço Social da UFRGS e PPG Ciências da Saúde da FURG com a gestão pública da saúde especialmente no que tange o sistema prisional; reflexão e discussão a respeito da complexidade que envolve o diagnóstico, o acompanhamento e o tratamento da TB, especialmente no sistema prisional;
- Troca de experiências entre os trabalhadores das Equipes de Atenção Básica Prisional; instrumentalização do conhecimento para profissionais, pesquisadores e estudantes da área da saúde; reflexão a respeito de meios efetivos para intervenção na realidade da TB com intuito de atingir as metas pactuadas pelo Brasil para o fim da TB até 2035;
- Disseminação e socialização do conhecimento com vistas à qualificação da produção científica.

Finalidades do Evento: Apresentar e discutir com a sociedade do RS os mais recentes estudos da área, articulando análises epidemiológicas e sociológicas da situação de saúde no âmbito dos direitos humanos, da tuberculose e micobacterioses, com debates sobre a equidade, as estratégias para a melhoria da gestão dos processos de trabalho e os desafios sociais e científicos acerca da saúde-doença-cuidado e de seus determinantes. Este evento é um espaço privilegiado de debate científico com relevantes informações para a formulação das políticas de saúde.

Breve histórico das edições anteriores: O tema da pesquisa e do seminário ora proposto vem sendo debatido em diferentes fóruns e instâncias, que consideramos como precursores e indicativo da necessidade de continuidade. 2013: Encontro de Apoio Institucional às equipes de Atenção Básica inseridas no sistema prisional gaúcho. 2014: a) II Encontro de Monitoramento e Avaliação do Grupo Condutor Estadual da Política de Atenção Básica de Saúde Integral à Pessoa Privada de Liberdade no Sistema Prisional. Seminário “A Saúde no sistema Prisional e a Construção da Prática Intersetorial e Interdisciplinar”. b) Oficina de Redução de Danos, em parceria com o município de Charqueadas e 9º Delegacia Penitenciária Regional da SUSEPE. 2015: Encontro de Monitoramento e Avaliação dos Agravos Infectocontagiosos pelo Grupo Condutor Estadual da Política de Atenção Básica à Saúde no Sistema Prisional. 2016: a) I Workshop da Rede Sul de Micobactérias, proposto pelo programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde da UNISC, concomitante ao II Congresso Brasileiro Interdisciplinar de Promoção da Saúde, contemplado com recurso do Edital PAEP/2016. Este evento contou com 400 participantes entre profissionais, estudantes e pesquisadores da área, vindos de todos os estados do Brasil. Foram 03 mesas redondas específicas do Workshop da Rede Sul de Micobactérias onde participaram pesquisadores de renome nacional e internacional, trazendo para o Sul do país atualizações na temática. b) I Seminário Regional de Tuberculose, criado para marcar o dia Estadual de Controle da Tuberculose. Este seminário contou com a participação de 130 trabalhadores e estudantes 28ª Região de Saúde. 2017: a) I Mostra Estadual de Experiências na Saúde Prisional, que ocorreu em Porto Alegre/RS e que foi organizado pela Secretaria Estadual de Saúde do RS. Esta Mostra contou com um total de 350 participantes. b) III Seminário Regional de Tuberculose organizado pela UNISC e 13ª Coordenadoria Regional de Saúde. Este Seminário teve a participação de 150 trabalhadores e estudantes de 13 municípios da 28ª Região de Saúde.

Contamos com a sua presença e participação!



Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul

Santa Cruz do Sul é a quinta economia do Estado e uma das dez maiores cidades do Rio Grande do Sul. Com pouco mais de 126 mil habitantes, segundo estimativa do IBGE/2010, o município está localizado no Vale do Rio Pardo, na região central do Rio Grande do Sul, a apenas 155 quilômetros de Porto Alegre. Tem como vizinhos os municípios de Passo do Sobrado, Venâncio Aires, Sinimbu, Vera Cruz e Rio Pardo, com acesso pela BR 116, BR 386 e pela RSC 287.

O relevo do município é composto por áreas levemente onduladas ao Sul, vales, morros e elevações maiores, originadas dos primeiros contrafortes da Serra Geral. Apresenta altitude média de 122m do nível do mar e o clima é subtropical temperado, com temperaturas médias de 19ºC, máxima de 42ºC e mínima de 5º C. As chuvas caem entre 100 e 126 dias ao ano, com precipitações de 1300 a 1800 mm. Possui uma área total de 794,49 km², sendo 156,96 km² de área urbana, dividida em 36 bairros, e 637,53 km² de área rural.

De acordo com a Fundação de Economia e Estatística (FEE) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Santa Cruz do Sul saltou da oitava posição em 2013 para a quinta posição em 2014 no ranking estadual do Produto Interno Bruto (PIB). O desempenho econômico aponta crescimento de 19,05%, bem superior ao aumento nominal de 7,7% do Estado.

Polo mundial da indústria fumageira, o Município tem no tabaco sua principal fonte de receita, emprego e renda. Segundo dados da Afubra, referentes ao Diagnóstico Sócio-econômico das Propriedades Fumicultoras (2014/2015), atualmente são 2,6 mil proprietários e 3,4 mil famílias  envolvidas com essa cultura, em propriedades com um tamanho médio de 12,7 hectares. Embora o setor do tabaco represente uma fatia significativa no bolo industrial, a diversificação já é uma realidade crescente no Município. Destacam-se indústrias do setor alimentício, metalúrgico e farmacêutico. 

A expansão do setor industrial em Santa Cruz do Sul, somada a sua localização no centro do Estado, com acesso fácil a todas as regiões, incluindo países do Cone Sul, fez surgir um movimento pela implantação de uma plataforma logística, espécie de porto seco. O poder público municipal, em parceria com entidades lideradas pela Associação Santa Cruz Novos Rumos (Ascnor) buscou uma consultoria especializada para prospectar investidores e desenvolver um projeto. 

Segundo matéria publicada na Revista Exame, de agosto de 2016, Santa Cruz do Sul é o segundo município que mais gera emprego no Brasil. E, de acordo com o Departamento de Economia e Estatística do Sindicato de Habitação do Rio Grande do Sul, está entre os melhores do Estado para se investir e viver.

Sem perder as características de uma pacata cidade do interior, Santa Cruz do Sul tem todos os serviços de uma cidade grande em permanente expansão. Hoje o Município é um centro regional em áreas como educação, saúde, comércio e prestação de serviços. Existem mais de 4,5 mil estabelecimentos varejistas localizados na área central, bairros e regiões do interior. Com inquestionável vocação turística, a rede hoteleira, composta por hotéis, motéis e pousadas, tem capacidade para hospedar até duas mil pessoas.

Para quem aprecia uma agenda com viés mais cultural, Santa Cruz do Sul tem muito a oferecer em termos de shows, exposições, peças de teatro e lançamentos de livros. O Teatro Camarim, um dos locais de maior concentração de artistas da cidade, é palco para revelação de talentos, através de suas oficinas de pintura, teatro e música abertas à comunidade. No local também são realizados projetos culturais e espetáculos.

Também o Teatro Mauá, que possui um auditório com capacidade para 500 pessoas, e o auditório central da Unisc, recebem peças teatrais, balés e outros espetáculos durante todo o ano.

Uma grande referência cultural da cidade é a Casa das Artes Regina Simonis, construída em 1920. Como uma grande galeria, o imponente prédio situado na rua principal e que hoje passa por um projeto de revitalização, abriga exposições de pintura e saraus. 

Na mesma rua, em frente à Praça da Bandeira, está o Museu do Colégio Mauá, com um acervo superior a 140 mil unidades, em peças arqueológicas, históricas, etnográficas, numismática, ciências naturais, pequena pinacoteca de artistas e coleção de armas.

Os amantes de uma boa leitura podem encontrar novidades nas quatro bibliotecas que somam juntas  um acervo de mais de 111 mil livros. Aliás, em se tratando de literatura, Santa Cruz tem uma das maiores feiras do livro do Rio Grande do Sul. O evento acontece no coração da cidade, em meio a uma aura de romantismo, com as dezenas de bancas de livreiros rodeadas pelo frondoso arvoredo da Praça Getúlio Vargas, sob a imponente fachada da Catedral São João Batista.

Para aliar momentos de lazer e boas compras, dois centros comerciais estão consolidados: o Shopping Santa Cruz e o Shopping Germânia, ambos em áreas nobres da cidade. Salas de cinema – 2D e 3D - praças de alimentação com lanchonetes e restaurantes, jogos eletrônicos, lojas de roupas, artigos esportivos, presentes, joalherias, farmácias e diversos segmentos, além de estacionamentos compõe o mix de opções à disposição dos consumidores.

Quando o assunto é qualidade de vida, cabe mencionar que um dos maiores investimentos feitos nos últimos anos ocorreu na área de mobilidade urbana. A acessibilidade está cada vez mais presente, facilitando a locomoção e garantindo a inclusão das pessoas com deficiência. Mais de 400 rampas para cadeirantes foram instaladas no Centro e outras áreas da cidade. Nos cruzamentos das vias mais movimentadas foram construídos avanços de calçada para encurtar a travessia dos pedestres.

Santa Cruz do Sul dispõe também de um Terminal Rodoviário, com venda de passagens para a capital, cidades do interior e outros estados. Também é possível chegar ao município por via aérea, desembarcando em voos particulares no Aeroporto Luis Beck da Silva, que está inscrito no Programa de Investimentos do Governo Federal para Modernização de Aeroportos. Melhorias como ampliação de pista, balizamento noturno e outras intervenções deverão contribuir para que, em um futuro próximo, o local possa receber também voos comerciais. (Fonte: http://www.santacruz.rs.gov.br/municipio/santa-cruz-hoje)

Para maiores informações sobre pontos turísticos em Santa Cruz do Sul, acesse: http://www.santacruz.rs.gov.br/municipio/pontos-turisticos

Cultura, alegria e diversão fazem da Oktoberfest de Santa Cruz do Sul, também conhecida como a Festa da Alegria, um dos eventos mais populares do Brasil. Cerca de 400 mil pessoas visitam o município durante os 12 dias de festa para vivenciar um pouco da cultura e das tradições herdadas dos colonizadores alemães. Considerada a maior festa alemã do Rio Grande do Sul e organizada em parceria pela Associação de Entidades Empresariais de Santa Cruz do Sul (Assemp) e o Município de Santa Cruz do Sul, a Oktoberfest realiza, em 2018, de 10 a 21 de Outubro, a sua 34ª edição, com o tema Santa Cruz: Nossa terra, nossa gente! Durante o evento, uma diversificada programação artística e cultural, com atrações para todos os públicos, aguarda os visitantes. Para maiores informações sobre a 34ª Oktoberfet acesse: http://oktoberfestsantacruz.com.br/

 

Local do Evento – Universidade de Santa Cruz do Sul

A história do ensino superior em Santa Cruz do Sul e no Vale do Rio Pardo, teve início na década de 60, quando a comunidade se mobilizou e uniu esforços para que o alcance dessa meta se tornasse possível. 

A Associação Pró-Ensino em Santa Cruz do Sul – APESC, mantenedora da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, foi fundada em 1962, e após dois anos obteve aprovação para o funcionamento da primeira Faculdade, a de Ciências Contábeis. Posteriormente, foram criadas a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, a Faculdade de Direito e a Escola Superior de Educação Física. Novos cursos de graduação foram criados e, em 1980, as quatro faculdades mantidas pela APESC passaram a constituir as Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul – FISC.

A APESC e a FISC desejavam compatibilizar a concepção da UNISC com os anseios da comunidade regional, e assim decidiram dar continuidade aos Seminários Pensando a Universidade, desta vez realizando concorridas reuniões com as comunidades locais dos vizinhos municípios de Sobradinho, Candelária, Venâncio Aires, Rio Pardo, Pantano Grande e Encruzilhada do Sul, o que foi muito importante para a futura realização de projetos de pesquisa e de extensão em parceria.

Após o reconhecimento da UNISC, acelerou-se a implantação de cursos de graduação, de programas de pós-graduação stricto sensu, tendo atualmente oito mestrados e cinco doutorados e diversos cursos de pós-Graduação Lato Sensu, nas mais diversas áreas.

O caráter comunitário levou a UNISC ao estágio de desenvolvimento em que se encontra hoje, característico de uma Universidade em construção, que cresce acompanhando os avanços tecnológicos sem descuidar-se da qualidade e do humanismo. Foi dessa forma que a Universidade se destacou, em 2008, na avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) do Ministério da Educação – MEC, sendo considerada a 4ª melhor Universidade Comunitária do Estado e a 8ª melhor Instituição entre as não públicas do País. Em agosto de 2010, a UNISC obteve nota 5 – única instituição do Estado e uma das quatro do País a obter essa pontuação máxima. Em 2011, através da Portaria nº. 913, de 12 de julho de 2011, publicada no DOU de 13 de julho de 2011, a Universidade obteve seu recredenciamento do MEC por mais dez anos.

Na área tecnológica, a UNISC está adquirindo densidade não só por seus laboratórios e pelos muitos cursos oferecidos nessa área, mas também pela instalação da Incubadora Tecnológica, já em plena atividade, e do Parque Científico e Tecnológico Regional da UNISC – TecnoUNISC, que está sendo implantado em convênio com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação e com a Secretaria de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico do Estado do Rio Grande do Sul. O Parque Científico e Tecnológico da UNISC (TecnoUNISC) é um ambiente de produção e gerenciamento de tecnologias voltadas à suas áreas de atuação, sendo um local favorável ao desenvolvimento de empresas de base tecnológica, empreendedoras e de inovação. Seu propósito é desenvolver atividades que promovam a interação e a sinergia entre atividades de pesquisa e de desenvolvimento, que gerem produtos, processos e serviços inovadores. Isso se dá por meio de um fluxo contínuo de transferência de conhecimento e tecnologia entre universidade, empresas, estado e sociedade.

O compromisso da APESC para com a sociedade inclui ações sociais que oferecem oportunidades de crescimento social e intelectual a um número cada vez maior de pessoas, proporcionando melhores condições de vida, de saúde, de educação que contribuam para a vivência plena da cidadania.

O fomento de projetos voltados à saúde, à educação e também ao esporte, ao meio ambiente, à comunicação e ao desenvolvimento tecnológico assegura a inserção da APESC e de suas mantidas na comunidade, como instituições que primam pela excelência de seus projetos, reforçando o compromisso assumido com o desenvolvimento regional.

 

Público- Alvo

O público-alvo do evento serão profissionais de saúde, profissionais da segurança pública e controle social, gestores, empresários, alunos dos cursos de graduação, pós-graduação lato sensu e stricto sensu, estudantes e egressos das diversas áreas do conhecimento envolvidas no evento. Estaremos reunindo aproximadamente 300 participantes das mais diversas áreas, para intensa troca de experiências, intercâmbio de descobertas e atualizações científicas nas áreas temáticas propostas.